Pular para o conteúdo principal

Perdendo o foco ... ou descobrindo o que se esconde?

Todas as vezes que acolho em meu consultório pessoas em desespero, uma atitude comum a todas elas é a confusão. Queixam-se de não conseguir se concentrar, de se esquecer das coisas. Curioso é perceber que os desesperados são pessoas que perderam o foco...esqueceram-se do que de fato querem.

No Filme Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol, há um diálogo interessante sobre isso:

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria.
”Depende”, respondeu o gato.
”De quê?”, replicou Alice;
”Depende de para onde você quer ir...”

Uma pergunta tão simples que fazemos a todo instante, mas que carrega sobre si um peso enorme de nossa condição. ”Depende de para onde você quer ir...” Para o desesperado o sofrimento não é de não ter saída, mas de não saber que saída tomar! Por isso a confusão é percebida em crises. O desespero não é o problema, mas uma reação à sensação de não se saber o que precisa, de estar sem norte. E nessa situação qualquer saída é e ao mesmo tempo não é solução. Ao drogar-se, o jovem pensa que precisa dela para sair de onde está...mas a droga não acrescentará nada...apenas desfocará mais ainda. Ao beber, o alcool apenas anestesiará a percepção, mas a saída ainda estará velada (escondida) e por isso ainda não resolverá o problema. Envolvendo-se em conflitos, agredindo, o confuso não fará nada além de buscar um novo foco...que não será o real e necessário. So poderei enfocar se souber o que procuro.

Como trabalho com Florais, em todo Buquet inicial envolvo uma Flor chamada Clematis objetivando que meu paciente tenha foco, coloque seus problemas em uma hierarquia, evitando o efeito gargalo.
Aquela sensação de "entalamento" onde as coisas parecem ser bem piores do que são de fato.


A perda do foco tem sua explicação psicodinâmica em um mecanismo de defesa, onde por ser compreendido como indigesta, nosso inconsciente nos leva, naquele momento, à evitação da "dor" real. Enfrentá-la doi muito, e por isso, somos desfocados. Surge como saída a fuga, a negação, a projeção, transferência e por aí vai. Por ser um mecanismo de defesa, deveria apenas nos protege na crise e ser abandonado após esta crise a fim de que pudéssemos elaborar o ocorrido. No entanto, em uma estrutura  neurotica, aquilo que nos defenderia acaba por nos sugar e nos viciamos nessa desfocalização como evitação do sofrimento...e ao não sofrermos pelo real, sofremos por tudo em que ele se projeta...e por não podermos mais enxergar o problema real, não conseguimos identificar a saída.

Alguns, sem o foco real, focam um ponto e por meio de um comportamento psicótico, fanatizam-se. Voltamos ao quadro de desespero, onde se antes não tinhamos um foco e como estrábicos olhávamos para um lado observando outro, agora nosso foco imaginado como real ( digo imaginado por que se fosse a real saída não precisaria ser doentia) torna-se único e nosso olhar, daltônico, não nos permite ver nada que não esteja da cor que pintamos.

Enfim, ter em mente o que de fato nos doi sempre será a forma de não sofremos mais do que o necessário. Evitar sofrer quase sempre será a melhor forma de sofrer mais. Isso cabe para qualquer circunstãncia de nossa vida. Pois ao nos percebermos tão complexos, descobrimos nossa simplicidade...e na simplicidade da vida nos percebemos focalizados ( focados) no que de fato queremos.  A saída de nossa confusão existencial está na simples pergunta do gato a Alice: ”...para onde você quer ir...” Faça esse exercício e se pergunte ” para onde você quer ir...” com suas atitudes, com sua tristeza, com sua loucura, com seu desespero. Pergunte ao seu sofrimento psíquico onde ele quer chegar ...e talvez você se assuste com a resposta que normalmente estará tão "clara" que nem acreditará!

Um bom fim de semana para todos, focado naquilo que de fato queremos e precisamos.
Cabe a você descobrir, o que você de fato quer!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Conflito como elemento inerente ao convívio humano - uma reflexão baseado em experiências

RESUMO: O conflito é algo que antecede a história da humanidade. Não há como destruí-lo sem tirar algo do humano. Em si ele não tem valor negativo. Os conflitos podem ser agrupados levando em consideração seus atributos. Tais atributos nos ajudam a entender melhor a dinâmica do conflito e por conseqüência a dinâmica da solução do conflito. Ao conflito surge a possibilidade de reconstruir uma solução com a cumplicidade dos envolvidos. Envolvido esses que não são chamados nem de réu e nem de vítima, mas de envolvidos. A Justiça restaurativa vem com essa pretensão. Apesar de muito discutido, há como fazer Justiça Restaurativa em conflitos Domésticos. PALAVRAS-CHAVE: Conflito, violência doméstica, Justiça Restaurativa ABSTRACT:
Conflict is something that predates human history. There is no way to destroy it without taking something human. In itself it has no negative value. Conflicts can be grouped taking into account their attributes. These attributes help us to better understand the dynami…

Amor, a força que precisamos...

"Como fica forte uma pessoa quando está segura de ser amada!"
Tomar decisões, dar conta de perder, suportar as frustrações.  Esses são desafios que enfrentamos diariamente. Até mesmo o ato de acordar consiste na tomada de decisão de continuar a vida, seja ela prazerosa ou não ( e sempre será). Por meio de "autoajuda" e de técnicas sugestivas diversas buscamos dar significado às nossas perdas e frustrações. Achamos que se "(re)significarmos" a vida teremos impulsos para avançar.( Ilusória essa palavra, porque aquilo que tem significado não precisa ser REsignificado e aquilo que não tem significado, ao ser REsignificado apenas restaura o que de fato é).
No entanto, de tao simples, a solução é "hercúlea" . Freud escreveu ao Martha Bernays, em 1882. (Carta de Sigmund Freud a Martha Bernays, 27 de Junho de 1882) que a segurança de ser amado nos torna ousados, fortes.
Atendo em meu consultórios pais e filhos que vivenciam o drama moderno de se sentirem …

A tristeza - nossa amiga

Muitos confundem tristeza com depressão. "Estar bem" passou a ser ter um bom "selfie", a necessidade de se evitar aquilo que se aproxima de uma "cara triste" tornou-se imperiosa. Ninguém quer ficar com alguém de "bode". A busca de um NORMAL nos impele a repelirmos aquilo que os OUTROS acham ANORMAL.

No entanto, a tristeza faz parte das cores de nossas emoções e tem um papel fundamental em nossa dinâmica de vida. Tristeza não é depressão. Apesar de na depressão percebermos que a tristeza sombreia a vida de seus protagonistas, mas de forma inconsistente e desnecessária, a tristeza, quando adequada, tem o papel de nos trazer para dentro de nós mesmos, de nos colocar em contato com a dor da vida, de se viver, de se enfrentar as demandas do dia a dia. A tristeza é a emoção que nos mostra como a vida tem cores e nuances e pode ser modulada, reciclada. A tristeza nos lembra de que temos, como pessoas morais, que fazer escolhas e arcar com suas consequên…